Terça-feira, 5 de Maio de 2009

O FADO DE CADA UM

 

 A  CIGANA LEU-ME SINA
Em 1936, a meio do mês mais florido,
Veio ao mundo um individuo,
Por má fada apadrinhado,
E para cumprir o seu fado,
Toda a vida tem sofrido.
 
Não foi bebé nem menino,
Antes ou depois de nado,
E sem festa lhe terem dado,
 Nem no mês mais florido.
 
Seria melhor não ter nascido,
Assim não haveria morte,
Quando com tão má sorte,
Vem ao mundo um indivíduo.
 
Para quem não se sentiu amado
Ao longo de toda a vida,
Tem como dor mais sentida,
O facto de ter nascido,
Por má fada apadrinhado.
 
Foi garoto mal tratado,
Por gente… desconhecida,
E assim começou a vida,
Para cumprir o seu fado.
 
E sempre assim tem vivido,
A vida que lhe foi madrasta,
Neste mundo onde se arrasta,
E toda a vida tem sofrido.
 
Neste mundo conheceu de tudo,
Desde o frio até à fome,
E tem uma dor que o consome,
Que já lhe vem desde miúdo.
 
 Quem toda a vida sonhou,
Com o amor sem fronteiras,
Vivido de todas as maneiras,
Mas a sorte lho recusou.
 
O amor pela natureza,
Pela vida e as coisas belas,
Nunca passou de escapadelas,
De que só ficou a incerteza.
 
Enfim… nasceu de cara prá lua,
Acha-a admirável e bela,
Mas ela seria mais sua (amiga)
Se nascesse de cu virado para ela.
 
 
 
( Já o ditado diz, quando se tem sorte na vida, nasceu de cu virado Para a lua)
 
Viveu muitas horas pungentes,
Sempre com esperança no outro dia,
Eu não sei o que ele faria,
Para conseguir um dia,
Mudar o rumo ás correntes, ( da vida )
 
Por tanto ser infeliz,
Quantas vezes terá pensado,
Que vendia a alma ao diabo,
Por um resto de vida mais feliz.
 
Um homem em vida se enterra,
Com tantos tormentos passados,  
Porque o dono desta terra,
Tem filhos e enteados.
 
Quando se tem poder infinito,
E se quer o bem de toda a gente,
Depois se dá sorte diferente,
Desculpem, eu não acredito.
 
Só o facto de termos nascido,
Sem pedir p´ra vir ao mundo,
Já é motivo profundo,
Para se ser protegido.
 
 Sou contra legal exploração,
E contra os Deuses que castigam,
E que a tudo nos obrigam,
Em nome da salvação.
        Autor Eduardo Gonçalves.
( fisga )

publicado por Fisga às 05:00
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
|

.quem sou eu


. ver perfil

. seguir perfil

. 40 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.arca_animais-micros...

.arquivos

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. UMA FOTOGRAFIA DE ALICE B...

. QUE SEJA, ENTÃO, PARA SEM...

. OBRIGADA, TAMBÉM POR ISTO...

. ALGUNS BRITOS E SOUSAS

. GRANDE MERGULHO

. No mistério do sem fim

. Viver como as flores

. Mar do Desespero

. Dia dos namorados

. Queria ser a força...

.links

.Visitas

 

.arca_animais-micros...

SAPO Blogs

.subscrever feeds